quinta-feira, 19 de junho de 2008

Ao cuidado da homofóbica "elite" nacional

Enquanto noutras paragens se faz o elogio da homofobia pseudo-científica, na Suécia estuda-se de facto e dá-se maior probabilidade à origem uterina da homossexualidade. Segundo esta notícia da BBC, uma investigação pelo Instituto Karolinska concluiu que há uma semelhança estrutural entre os cerébros de gays e mulheres heterossexuais, enquanto os das lésbicas assemelham-se mais aos dos homens heterossexuais. Os dados recolhidos revelaram ainda uma diferença de funcionamento dentro do mesmo molde, com um grupo a demonstrar uma actividade nervosa diferente da do outro. Isto quer dizer que o estudo aponta para uma semelhança cerebral entre os que preferem homens para parceiros sexuais - gays e mulheres heteros - e os que preferem mulheres - lésbicas e homens heteros. Citando o comentário de um académico da Universidade de Londres: as far as I'm concerned there is no argument any more - if you are gay, you are born gay.

A dar que pensar aos homofóbicos mais ou menos encapotados que fazem questão de denominar a homossexualidade como "estilo" ou "opção de vida".

Publicado em simultâneo no Devaneios LGBT

1 comentário:

Joana R. disse...

Então e os bissexuais? São uma crise de identidade desde a nascença? São super-dotados? São mutantes? São... "especiais"? :D